Sinceridade

por Maurício Marques
Rodrigo Duarte
crédito:

Os que me conhecem sabem de minha posição sobre a música regional gaúcha, aos que não me conhecem digo que não sou um tradicionalista. Gosto das coisas novas, repensadas. Acho que a música deve ser representativa de algo ou de alguém, no caso, um compositor, um grupo etc.

É inconcebível que a música regional seja uma só, homogeneizada, pois acho impossível ter, em um Estado, uma população inteira que seja igual, afinal de contas somos várias tribos convivendo, cada uma com sua música.

Há muitos anos conheço o compositor Rodrigo Duarte, camarada, uma pessoa de bom papo, bom gosto. Uma pessoa sincera e um amigo. Já toquei em festivais com ele, já gravamos e defendemos musicas.

A pouco tempo ele fez uma campanha de Crowdfunding pela plataforma Catarse, para arrecadar fundos e produzir seu CD Zênite. Pois bem, eu ouvi o CD e gostaria de dizer aos amigos que não me surpreendi, pois era justamente o que eu esperava. Um disco com a cara do Rodrigo Duarte, com lindas músicas, arranjos simples, bem executados, bela sonoridade.

O CD traz lindas musicas autorais (milonga, chamame, mazurca, samba canção) e a regravação da música Prece ao Minuano, de Telmo de Lima Freitas. Tem a participação vocal de dois grandes: Marco Aurélio Vasconcelos e de Maurício Barcellos. Uma masterização muito bem feita por Marcos Abreu.

A instrumentação tem violões, contrabaixo, guitarra, acordeon, gaita de boca e percussão.
Uma coisa que percebi, foi a naturalidade da gravação, pois nos dias de hoje é muito fácil gravar, editar e deixar tudo perfeito, sem deslizes, o que é quase impossível de fazer ao vivo. Neste CD tudo me pareceu factível, sincero, como uma apresentação ao vivo.

Por fim, recomendo aos amigos que ouçam este belo CD Zênite de Rodrigo Duarte, que veio a somar ao pensamento de fazer musica sem se preocupar com o rótulo, apenas com o fazer musical puro e “sincero” e, sinceramente, “sinceridade” é uma das coisas mais raras ultimamente!

teste
TAGS:

  Veja também

interpretação na dança

A interpretação na dança!

“A interpretação da dança é da maior importância e validade, pois traduz as características de uma época… a expressão de vida de uma coletividade… o desenvolvimento socio-cultural de uma comunidade… enfim, o folk, que é o próprio sentir, agir e reagir natural do povo!” (João Carlos D´Ávila Paixão Côrtes) Depois de uns dias um pouco…

A harmonia na dança

Harmonia é o substantivo feminino com origem do idioma grego e que indica uma “concordância” ou “consonância” tanto a nível artístico como a nível social, tanto por história da palavra quanto por significado da mesma. Em resumo, harmonia é o resultado natural da verdade: É um conceito clássico que se relaciona às ideias de beleza,…

Arquivo Paixão Côrtes

Sapateios – Parte 2

“Que a dança é uma diversão e não uma obrigação. Quer dizer: é prazeroso, tanto para a dama, pra prenda, quanto pra o homem! (…) O que nós estamos vendo, naturalmente, agora, são espetáculos, são shows. São bonitos e alegres, mas não são tão autênticos…” (João Carlos D´Ávila Paixão Côrtes) Nos elementos da nossa dança,…

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Vertentes