Diego Muller

Diego Muller

Diego Muller falará, em sua coluna, sobre dança, tradição e folclore. Acadêmico de arquitetura e urbanismo, atuante na área da arquitetura clínica e hospitalar, é instrutor de danças folclóricas, letrista e compositor nativista. Iniciou no tradicionalismo assim que nasceu, em 1980, nas dependências do CTG Brazão do Rio Grande, de Canoas/RS, principiando na dança em dezembro de 1989, onde atua até hoje, como instrutor dos corpos de baile adulto e veterano. Filho de tri-campeões do Estado, no Festival do Mobral, carrega essa vertente cultural, pendendo sempre ao lado folclórico e rural que a dança gaúcha pede. Participou como dançarino em lançamento de CDs, palestras e oficinas culturais juntamente com o pesquisador João Carlos Paixão Côrtes, a convite dele, incluindo em seu Curriculum festivais internacionais de folclore em países europeus. Carrega nas costas prêmios importantes na área da dança gaúcha, como de: Campeão do rodeio internacional de Vacaria, categoria adulto; Tri-campeão veterano do rodeio internacional de Vacaria; Bi-campeão biriva do rodeio internacional de Vacaria; Bi-campeão do Fecart, estadual de SC, em danças adulto; Campeão adulto, veterano e musical mais autêntico do Fegadan/MTG; participando inclusive nas vitórias do ENART de 2011 e de 2012, com trabalhos de expressão corporal. Atuou como coreografo, auxiliar de pesquisa e bailarino nas gravações e montagens do filme “O tempo e o vento”, de Jayme Monjardin, a convite da produção. Em 2007 lançou o livro “Ñanderetá chamececera – Nossa terra chamamecera”, em parceria com o poeta José João Sampaio da Silva, e em 2016 lança seu primeiro trabalho fonográfico, intitulado “Adelante”, num apanhado seu de temas musicas dos nossos festivais nativistas.

  Postagens de Diego Muller

thumb image

A interpretação na dança!

“A interpretação da dança é da maior importância e validade, pois traduz as características de uma época… a expressão de vida de uma coletividade… o desenvolvimento socio-cultural de uma comunidade… enfim, o folk, que é o próprio sentir, agir e reagir natural do povo!” (João Carlos D´Ávila Paixão Côrtes) Depois de uns dias um pouco…

 

A harmonia na dança

Harmonia é o substantivo feminino com origem do idioma grego e que indica uma “concordância” ou “consonância” tanto a nível artístico como a nível social, tanto por história da palavra quanto por significado da mesma. Em resumo, harmonia é o resultado natural da verdade: É um conceito clássico que se relaciona às ideias de beleza,…

 
thumb image

Sapateios – Parte 2

“Que a dança é uma diversão e não uma obrigação. Quer dizer: é prazeroso, tanto para a dama, pra prenda, quanto pra o homem! (…) O que nós estamos vendo, naturalmente, agora, são espetáculos, são shows. São bonitos e alegres, mas não são tão autênticos…” (João Carlos D´Ávila Paixão Côrtes) Nos elementos da nossa dança,…

 
thumb image

Sapateio – Parte 1

Falando nos elementos importantes para nossas danças, destacamos hoje um que é primordial: os nossos sapateios. Não sapateios da Chula, mas o sapateio nas nossas danças gaúchas, com relação peão-e-prenda… como relação peão-e-prenda. Devemos fazer essa diferenciação, pois são motivos e elementos distintos os que tratam dos sapateios numa apresentação masculina individual (Chula, Chico-do-porrete e…

 
thumb image

Sementes de Paixão

“O Laçador está vivo na palma da sua mão… o pago nasce de novo, rebenta o sol num clarão… Se um piá seguir seu rastro, no rumo da tradição, tem sementes de Paixão! …são sementes de Paixão!” (Antônio Augusto Fagundes) Vai ao ar na manhã deste domingo, dia 15 de janeiro, a tão esperada reprise…

 
thumb image

Vida longa ao Fegadan!

Esse mês, nos dias 09, 10 e 11 de dezembro, aconteceu em Caxias do Sul, na localidade rural da Criúva, juntamente com o Rodeio Crioulo Nacional da Criúva, a terceira edição do FEGADAN (III Festival gaúcho de danças), sob organização e supervisão e apoio do MTG do RS, desta vez em parceria com o CTG…

 
thumb image

Resistência cultural – Parte II

Até 1983 as danças de modo geral eram “show”, com influência dos grupos turísticos (digamos assim). Em 83 se alertou para a coreografia e o manual, evidenciado com o famoso Curso de Panambí, organizado pelo IGTF e sua equipe de pesquisas, gerenciada por Paixão Côrtes. Mesmo ano em que o Paixão, a posterior, deixou seus…

 
thumb image

Resistência cultural – Parte I

“A preservação da tradição tem continuidade daqueles que tem consciência e alma de terra!” (João Carlos Paixão Côrtes) Para essa coluna, sou sincero em citar que demorei um razoável tempo para amadurecer meus pensamentos e colher lembranças para concluí-la, da maneira como acho frutífera. São assuntos delicados, por estarmos vivenciando (ainda) a própria história da…

 
thumb image

O Serrote

Antes da presidência de Julio de Castilhos em nosso estado (época em que se podou, digamos assim, as pretensões políticas das colônias e colonos alemães, cada vez maiores nos sul) as estâncias gaúchas e as colonias de imigrantes dialogavam quase que em um mesmo ambiente social sulino. A posterior a isso cada ambiente ficou em…

 
thumb image

Na Criúva pode!

A Criúva é uma localidade muito importante para nossa cultura regional gaúcha. Localidade distante da cidade, onde muitas das nossas danças foram recolhidas. Claro que não é por acaso essa geografia cultural. Sabemos que localidades de serra, e mais distantes, sempre tinha dificuldade em receber as informações e as modas. Elas se demoravam para chegar,…

 
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.