A Pajada em Assunção

por Paulo de Freitas Mendonça
Pajada
crédito:

A entrega do certificado da Pajada como Patrimônio Imaterial do Mercosul no 1º Festival Cultural do Mercosul inicia com uma pauta solene protagonizada pelos representantes dos ministérios do bloco, artistas dos países, homenagens e pronunciamentos. As atuações de bailarinos, músicos e cantores são aplaudidas com muito entusiasmo, o que é natural, dado ao reconhecimento e a popularidade de todos que ali atuam. O homem de marte pode estar me perguntando que certificado e eu respondo que isto está no texto anterior.

Os pajadores que representam Argentina, Brasil, Chile e Uruguai ingressam apreensivos ao palco, haja vista que todos se preparam para atuar pela primeira vez no Paraguai e ainda com o agravamento de que estão na capital de um país em que a improvisação não é pulsante. Isto significa a necessidade de precaução por estar transitando num campo, ao qual se chama de formação de plateia, haja vista que a pajada não é vigente no Paraguai, exceto nalgum rincão que porventura tenha se mantido algum tipo de improvisação autóctone sem destaque maior perante o grande público.

No ato de recebimento do diploma sente-se o calor humano do povo paraguaio e um alívio se nota na face de cada pajador. Ao iniciar o improviso, a receptividade é surpreendente. Há uma acolhida calorosa com aplausos e manifestações de satisfação, décima a décima, como acontece em territórios antes trilhados. No encerramento da pajada, grande parte do público aplaude em pé, pedindo outra pajada, a ponto da imprensa local noticiar como ponto alto da noite. Entende-se que a cena está dentro de um contexto de integração dos países do bloco e que os pajadores estão habituados a protagonizar espetáculos desta natureza, o que faz tudo fluir naturalmente. Além disso, o elenco da noite há mais de década atua junto em diversos países, e como diz Glênio Fagundes, a interação é tão natural que não é necessário o contato visual.

Esta experiência me faz acreditar ainda mais numa frase que costumo usar para definir esta maravilhosa arte: Encontro muita gente que desconhece a pajada, mas não quem conheça e não goste.

Na foto acima, David Tokar e Juan Lalanne recebem da Ministra paraguaia certificado da pajada. abaixo, o certificado.

O reconhecimento da pajada
O reconhecimento da pajada

teste
TAGS: Pajada,

  Veja também

interpretação na dança

A interpretação na dança!

“A interpretação da dança é da maior importância e validade, pois traduz as características de uma época… a expressão de vida de uma coletividade… o desenvolvimento socio-cultural de uma comunidade… enfim, o folk, que é o próprio sentir, agir e reagir natural do povo!” (João Carlos D´Ávila Paixão Côrtes) Depois de uns dias um pouco…

A harmonia na dança

Harmonia é o substantivo feminino com origem do idioma grego e que indica uma “concordância” ou “consonância” tanto a nível artístico como a nível social, tanto por história da palavra quanto por significado da mesma. Em resumo, harmonia é o resultado natural da verdade: É um conceito clássico que se relaciona às ideias de beleza,…

Arquivo Paixão Côrtes

Sapateios – Parte 2

“Que a dança é uma diversão e não uma obrigação. Quer dizer: é prazeroso, tanto para a dama, pra prenda, quanto pra o homem! (…) O que nós estamos vendo, naturalmente, agora, são espetáculos, são shows. São bonitos e alegres, mas não são tão autênticos…” (João Carlos D´Ávila Paixão Côrtes) Nos elementos da nossa dança,…

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Vertentes