A obra primorosa de Cenair Maicá

por Paulo de Freitas Mendonça
Rio de minha infância
crédito:

Nesta terça-feira, 3 de maio, comemora-se a data de nascimento de Cenair Maicá, um dos mais importantes referentes da música rio-grandense. Cenair Maicá nasceu em Tucunduva no dia 3 de maio de 1947 e faleceu em Porto Alegre no 2 de janeiro de 1989. Seus restos mortais estão em Santo Ângelo, onde viveu grande parte de sua vida e onde se firmou artisticamente. Tive o privilégio de conviver com ele, dividir com ele o palco algumas vezes e ter sua amizade em boas prosas, inclusive fui o mediador na aproximação que resultou seu ingresso na Rádio Liberdade FM com seu programa o Canto dos Livres, título de sua mais reconhecida obra. Lamentavelmente o Magro teve uma vida curta, mas por outro lado deixou uma obra consistente e um exemplo de cantar o cotidiano em defesa dos menos providos da sorte, especialmente os povos originários.

Sua discografia:
1970 – Filosofia de Gaudério (com Noel Guarany)
1978 – Rio de Minha Infância
1980 – Caminhos
1983 – Canto dos Livres
1985 – Companheira Liberdade
1985 – Meu Canto
1988 – Troncos Missioneiros (com Noel Guarany, Jayme Caetano Braun e Pedro Ortaça)

O Jayme Caetano Braun denominou Cenair Maicá como “Cantor das Águas”, sem contestar o mestre, prefiro “Cantor do Cotidiano” baseado nesta música O Louco ou Canto dos Livres, entre outras.

Um fato que poucos sabem sobre o Cenair Maicá
O Magro morava em Porto Alegre e em virtude de seu frágil estado de saúde, o médico sugeriu que ele voltasse a morar no interior, onde houvesse ar mais puro. Resolveu morar em Soledade e lá compôs a música “Soledade Não é Mais Solidão”. Gravou a voz base e ficou de voltar no estúdio para colocar a interpretação definitiva quando todo o instrumental estivesse gravado. O destino lhe deu um pealo e ele não pode voltar para regravar. Como tudo que ele fazia, procurava fazer bem feito, a gravadora resolveu lançar o disco com a voz base mesmo e não perde em nada para as demais músicas.

Eu, particularmente, tenho um apreço muito grande por esta música, devido a esta história, a sua beleza e a sede de viver expressa em sua letra, justo ele que julgava ter renascido e queria “redundantemente renascer de novo¨. Vejam o que disse o cantor: “- aqui parei a respirar um ar tão puro / e assim fiquei a sonhar o meu futuro / vou garimpar o solo rico deste povo / neste aconchego quero renascer de novo/. [ ] “Ano após anos quero garimpar / esta liberdade quero respirar/” [ ] “Soledade não é mais solidão / nem a saudade machuca o coração / quando raízes de flores tão cheirosas / cobrem minérios de pedras preciosas/”

teste
TAGS: Cenair Maicá,

  Veja também

Luiz Carlos Borges

Tem Luiz Carlos Borges In Concert dias 29 e 30 no Theatro São Pedro

Um dos ícones da música regional gaúcha, Luiz Carlos Borges subirá mais uma vez ao palco de luxo do Theatro São Pedro, em Porto Alegre, dessa vez em dose dupla. Dias 29 e 30 de abril, às 21 horas ele apresentará o espetáculo Luiz Carlos Borges In Concert, onde fará o lançamento do álbum DoseDupla….

Márcia Freitas fará show dia 26

CD e DVD da 30ª Moenda serão lançados dia 26 de abril

No dia 26 de abril será lançado o CD e o DVD da 30ª Moenda da Canção e 6ª Moenda Instrumental com show da patrulhense Márcia Freitas (uma das premiadas no festival) e convidados, no Estrada Velha Pub e Chopperia. Lembrando que as inscrições para a 31ª Moenda e 7ª Moenda Instrumental vão até 4…

Triagem Sapecada

Definidas as músicas da 25ª Sapecada da Canção

Já estão definidas as músicas que participarão da edição de bodas de prata da Sapecada da Canção Nativa, que ocorrerá dia 12 de junho, no Parque Conta Dinheiro, junto com a 29ª Festa Nacional do Pinhão. A triagem, aberta ao público, ocorreu no CTG Barbicacho Colorado, e foi realizada pelos jurados Rafael Machado, Gabriel Selvage,…

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Vertentes